13.10.05

RETRATO TALVEZ SAUDOSO DA MENINA INSULAR

Tinha o tamanho da praia
o corpo era de areia.
Ele próprio era o início
do mar que o continuava.
Destino de água salgada
principiado na veia.

E quando as mãos se estenderam
a todo o seu comprimento
e quando os olhos desceram
a toda a sua fundura
teve o sinal que anuncia
o sonho da criatura.

Largou o sonho nos barcos
que dos seus dedos partiam
que dos seus dedos paisagens
países antecediam.

E quando o seu corpo se ergueu
Voltado para o desengano
só ficou tranquilidade
na linha daquele além.
Guardada na claridade
do olhar que a retém.

Natália Correia

4 Comments:

Blogger Alma de Poeta said...

Obrigada ela visita. Gostei de encontrar aqui poemas conhecidos e randes nomes da poesia açoriana.
Obrigada pela partilha...fica um beijo

4:13 PM  
Blogger Paula Raposo said...

Um poema lindo imortal!

2:03 AM  
Anonymous MARY HELP said...

ADOREI ESTA POESIA...MUITO LINDA!
VIM DEIXAR O MEU CARINHO E UM SUPER BEIJO NO SEU CORAÇÃO!
MARY HELP!

12:15 PM  
Anonymous Anonymous said...

Very cool design! Useful information. Go on! home appliances phones communications pictures of kitchens with stainless steel appliances Peugeot bike Cuilinary school Interactual dvd players dating interracial research credit card merchant account srrvices basketball betting Incorporate advice

7:30 PM  

Post a Comment

<< Home